Publicado em

Análise no Futebol deve ser quantitativa ou qualitativa?

O jogo de futebol é algo muito complexo para retirar muitas informações. Por isso, este texto abordará qual a melhor forma de realizar uma análise no futebol, deve ser quantitativa ou qualitativa? Portanto, vamos entender qual a melhor forma de analisar o jogo na área de análise de desempenho.

Primeiramente, explicarei o que são dados quantitativos e qualitativos, visto que muitas pessoas ainda confundem as nomenclaturas.

Dados Quantitativos

Os dados quantitativos são medidos, quantificados, ou seja, são representados através de números. Dessa forma, podemos citar os exemplos de posse de bola das equipes, quantidade de finalizações, desarmes, roubadas de bola, passes certos e errados, etc.

A análise quantitativa consiste na medição da performance e é geralmente expressa em números.

Dados Qualitativos

As informações qualitativas são um pouco diferentes, pois elas não são medidas, mas sim, avaliadas. Esse tipo de informação conta com uma subjetividade muito grande do analista de desempenho, pois, como não há uma “cartilha” do que é certo e errado, ele deverá identificar o acontecimento e analisar o que foi feito e/ou o que poderia ter sido realizado naquela situação. Portanto, vamos exemplificar isto com algumas situações: disposição dos atletas no momento de atacar e defender, como o jogador pressionou o adversário, qual a postura corporal adequada em determinadas situações, domínio orientado ou não, etc…

Na análise qualitativa, baseamos a nossa análise na impressão que retiramos daquilo que vemos!

Podemos perceber que, tanto as variáveis quantitativas quanto qualitativas, recolhem inúmeras opções de dados. Assim, o futebol nos apresenta tantos momentos, fases, princípios, subprincípios e afins que a nossas opções de coleta de informações é enorme.

Qual a melhor forma na análise no futebol?

Mas então, qual a melhor forma para obter as respostas sobre um jogo de futebol? Da maneira qualitativa ou quantitativa?

Imagine que você seja o responsável por analisar um treino ou jogo de futebol. Dessa forma, deverá recolher e levar para o treinador um relatório com as informações positivas e negativas. O que você priorizará? Dará mais ênfase aos aspectos quantitativos ou qualitativos?

Para ajudar você com essa dúvida irei esclarecer os pontos positivos e negativos sobre cada um desses modelos de análise.

Pontos positivos e negativas de análise no futebol

Dados Quantitativos

Os dados quantitativos lhe darão uma medição sempre objetiva das ações do jogo. Você poderá analisar, por exemplo, qual jogador do adversário mais comete erros de passe, a fim de pressioná-lo de uma forma mais intensa para recuperar a bola.

A análise estatística é como uma tentativa de corrigir o juízo subjetivo. Ou seja, alguns autores acreditam que a análise estatística é a melhor forma para analisar uma partida, visto que seu grau de erro é quase nulo, já que utiliza como base os indicadores objetivos, de acerto ou erro.

Porém, este método de análise também conta com aspectos negativos. Um desses pontos é a baixa compreensão geral de uma partida, pois seus dados apenas apresentam pontos específicos, ou seja, não nos apresentam em que situações ou como esses acertos ou erros ocorreram.

Dados Qualitativos

Os dados qualitativos lhe darão outra expectativa quanto a análise das partidas. Você não terá aquela precisão e objetividade das variáveis quantitativas, porém você conseguirá avaliar as ações tomadas de forma individual, grupal ou coletiva e, dessa forma, verificar se as decisões foram corretas ou se havia outras opções melhores.

Assim, caso você consiga identificar essas variáveis subjetivas e analisá-las da melhor forma, é possível dar feedbacks aos atletas e melhorar suas habilidades técnicas, táticas e cognitivas. O comportamento do Futebolista inteligente leva ao desenvolvimento de um comportamento táctico individual que se harmoniza com o resto da equipa, adaptando-se às variações de jogo, desenvolvendo a táctica coletiva.

Contato do autor : @Christopher_Suhre

Confira um episódio do Podcast Ciência da Bola que fala sobre o assunto: